quinta-feira, 13 de março de 2008

Sexo na velhice

O Raul pediu-me um texto sobre este tema, depois de me ouvir falar num congresso sobre sexualidade no processo de envelhecimento. Não quero aqui deixar um discurso científico ou académico, mas antes partilhar algumas reflexões sobre um tema tão difícil.
Mas difícil porquê..?
Porque é desconhecido e silencioso. A sexualidade dos mais velhos é quase um tabu, como se não existisse…. Mas existe, e ainda bem!
Quando os mais novos imaginam os seus avós a terem sexo, soltam risos e caretas, como se fosse uma coisa patética, no mínimo, difícil de imaginar. Pois é, fomos criados numa sociedade em que o sexo é um privilégio dos mais novos. Dos novos e dos bonitos, com corpos magros, tonificados e atractivos. E não nos esqueçamos que na nossa sociedade ainda persistem os estereótipos negativos que associam a idade avançada à fragilidade, à incompetência e à desocupação.
Por outro lado, essa mesma sociedade herdou da cultura judaico-cristã o modelo reprodutivo do sexo, ou seja, a sexualidade ao serviço da reprodução. Assim, acabada a função reprodutora, o sexo já não faz sentido.
Os estigmas do envelhecimento derivam desse modelo reprodutivo do sexo. De acordo com este paradigma, todos os comportamentos sexuais que se afastem do coito com fins reprodutivos, são considerados anormais e inaceitáveis. O modelo reprodutivo desconsidera a função erótica e desvaloriza o prazer. Assim, a sexualidade dos mais velhos ainda é marginalizada.

E pior ainda, é aquela ideia de que o sexo significa apenas o coito. Fomos socializados no sentido de “aprender” que as relações sexuais são a prática do coito. O modelo genital da sexualidade, que nos foi sendo incutido, reduz a sexualidade à relação centrada nos genitais. Foi assim que o Bill Clinton pôde afirmar que não tinha tido sexo com a secretária, embora tivessem manchado o vestido. E se temos esta ideia redutora do sexo, é fácil entender que os mais velhos não tenham sexualidade, pois, nesta etapa da vida a prática do coito pode nalguns casos estar comprometida por razões de saúde. Mas uma relação sexual é apenas o coito vaginal...? Esperemos que não. Zona erógena: 2 metros quadrados de pele!

Existe sim um conjunto de factores que limitam o bem-estar e podem constituir as razões para a interrupção ou ausência de vida sexual activa. Eu diria que os principais factores perturbadores da vivência da sexualidade são os factores médicos e os factores sócio-culturais.
Por um lado o aumento de problemas de saúde: a doença e sobretudo a medicação e os tratamentos, bem como a auto-estima diminuída em consequência do sentimento de debilidade do processo de doença. Mas também as dificuldades económicas e/ou sociais consequentes da aposentação. Pode haver e há, uma certa desconsideração social; as dificuldades económicas e a desvinculação social imprimem uma sensação de marginalização.
Também a real possibilidade de perda significativa no sistema de relações sociais, ou mesmo a ausência de vínculos afectivos fortes, pela morte do parceiro (a problemática da solidão).
Por outro lado, os estereótipos socio-culturais que ameaçam a sexualidade neste período da vida. Por exemplo, a ideia que os idosos não têm interesse sexual, ou que os que se interessam pelo sexo são perversos, ou ainda que o sexo faz mal à saúde. São falsas crenças que condicionam negativamente as possibilidades dos mais velhos viverem livremente a sua sexualidade.

O envelhecimento é difícil para todos. Homens e mulheres enfrentam um duro processo de mudanças corporais. O envelhecimento da figura corporal implica a aceitação de uma figura diferente, uma pele mais rugosa e flácida, menor tonicidade muscular, perda da flexibilidade e capacidade física. A capacidade de sedução e atracção fica ameaçada. E tudo isto acontece numa sociedade brutalmente exigente com a imagem corporal.
É assim para ambos os sexos, embora a mulher seja mais penalizada. Como afirmou Susan Sontag em 1975: “Um homem, inclusive um homem feio, mantém-se sexualmente elegível até ter uma idade avançada (...) É um parceiro aceitável para uma mulher jovem e atraente (...) As mulheres, tornam-se inelegíveis numa idade muito mais jovem (...) Assim, para a maior parte das mulheres, o envelhecimento constitui um humilhante processo de desqualificação sexual”. Penso que 33 anos depois, esta declaração continua actual, embora vivamos tempos de mudança.Há muitas mulheres de maior idade que experimentam satisfação sexual pela primeira vez nas suas vidas com paixão e entrega, por causa de um novo parceiro, por uma aumento na auto-confiança ou pelo desprendimento de antigas inibições e hábitos.
É preciso afirmar que muitos idosos querem e são capazes de desfrutar de uma vida sexual activa e satisfatória.
A sexualidade no envelhecimento, depende em larga medida de como as pessoas viveram a sua sexualidade ao longo da vida. Um dos melhores predictores do sexo no envelhecimento, é a frequência de uma vida sexual gratificante no passado.

Agora mais do que nunca, o bem-estar do idoso constitui uma preocupação social urgente. Em particular o tema da sexualidade neste período da vida, para além de uma abordagem médica sobre limitações e prejuízos (que é real e importante), merece também uma abordagem mais positiva. Assim, costumo dizer que depois das vicissitudes da conjugalidade, esta sexualidade é uma sexualidade livre. Livre das preocupações e esforço da actividade profissional, livre do stress do trabalho, livre do cuidar dos filhos, livre da reprodução e livre do coito privilegiado.
Liberdades que permitem a diversidade de vivências eróticas. A menos valia relativamente às performances sexuais, obriga à reinvenção do erotismo, à descoberta de novas formas de prazer. É a intimidade erótica aliada à maturidade e às vantagens da experiência.


Ana Alexandra Carvalheira
Psicóloga clínica e sexologista
ana.carvalheira@ispa.pt

14 comentários:

Rui Caetano disse...

Um tema deveras interessante e que deve ser debatido sem qualquer tabu.

SILÊNCIO CULPADO disse...

É importante debater estes temas sem receios nem complexos.

Espaço do João disse...

Não chego a saber que se entende por velhice. Admito que o ser humano vá acrescentando anos à sua vida . Isto não dá o direito a ninguém ser considerado velho. Cosidero, isso sim o homem chegar a uma certa idade considerado USADO, mas nunca velho. No entanto não deixo de considerar o texto bastante interessante. Esta é a maneira de pensar dum analfabeto como me considero. Beijos João

René disse...

Este texto tem toda a propriedade e já o tinha lido no Sidadania.
No entanto, e se me permite o "espaço do joão" o conceito de velho tem que ser repensado.
Para mim velho é alguém que, em qualquer idade, deixou de aprender e de evoluir.

JOSÉ FARIA disse...

Pois, se a afectividade persistir, se a amizade for constante, se o equilibrio nas relações não sofrer oscilações e se o respeito se mativer mútuo, amigo, solidário, uno!
Pois, o resto que é muito e mais importante, está semeado, cresce e floresce por acréscimo.

Mary disse...

Já tinha comentado este excelente texto que mostra que a realidade não é una e indivisível nem se compadece duma só forma d eolhar.
Para além das modas e dos padrões que a sociedade estipula, há a realidade em si.

tagarelas-miamendes disse...

Um Post excelente.
O sexo esta cheio de tabus, seja ele na velhice, na adolescencia, e em qualquer idade. Eu concordo consigo que muitos desses tabus nos chegam da nossa historia judaico-crista. Estao enraizados e vao levar tempo a desmoronar-se.
Mas o que mais gostei no seu post foi a mensagem positiva de que com a velhice o sexo ate possa melhorar. Nunca tinha pensado nisso mas acho que esta muito bem visto.

ABEL MARQUES disse...

Temos que não ter medo de falar das realidades nos suas mais diferentes facetas. Só assim podemos evoluir e compreender os outros.

Mário Relvas disse...

Um post que faz pensar.

Silêncio,

agradeço-te a explicação sobre o teu filho que vai ser operado.
Verás que tudo correrá bem.Assim será!

Mais uma vez te agradeço a tua dinâmica colaboração por esta causa do autismo.
Muito obrigado em nome dos autistas de Portugal e das suas famílias.

Caminhemos juntos de mãos dadas!

saudações e um sorriso (vale sempre a pena sorrir pelos outros)!

José Miguel Gomes disse...

Está na altura de tabus bolorentos desaparecerem, não está?

Fica bem,
Miguel

Mocho-Real disse...

Já cá tinha vindo há dias, mas não tive tempo para qualquer comentário.

O sexo tem lugar em qualquer idade a partir da altura em que é natural e não extemporãneo.
Na velhice, ao sexo junta-se muita terbnura, o que me comove sobremaneira.
Haja respeito pelos mais velhos, que evidentemente têm todo o direito às suas fantasias e práticas sexuais.

E aproveito para deixar às meninas deste blogue um abraço e votos de uma Páscoa cheia de saúde e de amor.

Nota: As minhas desculpas por qualquer gralha na dactilografia.
Jorge G.

Arte Autismo e www.arteautismo.com disse...

Querida , antes de mais nada obrigada pelas lindas e encorajadoras palavras para mim e Filipe. E pela visita ao site www.arteautismo.com
E quanto a essa matéria , eu acho muito oportuno falar. Eu conheci um casal de setenta anos que se casou e estão muito felizes e companheiros.
Nessa idade não há cobranças em relação ao sexo , pertinentes a juventude. Nesta hora conta o verdadeiro amor, aquele que supera todas as dificuldades.
O coração não envelhece nunca, portanto , nesta idade o importante é amar!
Beijo grande para voce.
Ray

Boris disse...

Viva a Páscoa, viva a vida,
Viva a paz e a bonança,
Viva a luz enriquecida
Pelo amor e pela esperança.

Viva a união de todos
Os que procuram construção,
Vivam pois todos aqueles
Que vêem no outro um irmão.

Viva quem procura o bem
E tem no peito humildade,
Viva quem quer a verdade
E dar pão a quem não tem.

Viva quem, com o seu suor,
Trabalha e constrói o mundo.
Viva o saber profundo
E a ausência de rancor.

Viva quem vive por amor

VIVA O SOL POENTE

AUTOR: Clóvis Alessandro de Souza Telles disse...

Bom dia.
Primeiramente meus parabéns pelo excelente blog.
Venho através deste, pedir-lhe autorização para colocar um link de seu blog em meu site http://clovistelles.blogspot.com/ na seção de "Sites Parceiros".
Apesar de meu blog não estar no nível do seu, a intenção é de continuar sempre crescendo, e um dia chegar lá.
Ao visitar o meu blog, e achando interessante e conveniente, por favor, coloque um link do meu site em seu blog, para que eu possa crescer mais, divulgando e discutindo idéias também com os seus leitores.
Mais uma vez meus cumprimentos. Obrigado Clóvis Alessandro de Souza Telles.