quarta-feira, 16 de janeiro de 2008

ASSINE A PETIÇÃO CONTRA A EXCISÃO GENITAL...



Pela primeira vez, um tribunal vai julgar a excisão de uma menina praticada em solo suíço. No cantão de Zurique, os pais da menina serão indiciados por lesão corporal grave.

A prática da excisão varia de acordo com a cultura de cada povo que ainda a adota. Consiste na mutilação do clitóris (órgão do prazer sexual feminino) e dos pequenos lábios vaginais. A excisão mínima, utilizada no oeste da África e na Indonésia, é a retirada do capuz do clitóris.

No leste africano (Djibuti, Etiópia, Somália, Sudão, Egito, Quênia), a infibulação, também chamada de excisão faraônica, considerada a pior de todas, pois, após a amputação do clitóris e dos pequenos lábios, os grandes lábios são secionados, aproximados e suturados com espinhos de acácia, sendo deixada uma minúscula abertura necessária ao escoamento da urina e da menstruação.

Na sua origem, o rito significava a separação dos sexos.
Na tradição do Mali, o céu fecundou a terra antes de sua excisão dando origem chacal, semeador da desordem no mundo.
Assim sendo, a criança nascida de uma mulher não excisa vem anunciar a desordem e o azar.

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), 100 a 140 milhões de mulheres e meninas sofreram de mutilações genitais. Segundo o UNICEF, três milhões de novas excisões por ano são praticadas em meninas de 4 a 12 anos.

Ainda conforme estimativas do UNICEF, cerca de 7 mil mulhres e meninas excisadas vivem na Suíça.
A maioria é originária da Somália, Etiópia e Eritréia.

Em rasão da imigração, a excisão é praticada atualmente também na Europa. Ela é expressamente proibida na Áustria, Bélgica, França, Dinamarca, Inglaterra, Noruega, Espanha e Suécia.

As maiores taxas de mutilação de meninas (segundo o UNICEF):

Guiné: 99% (proibida desde 2002)
Egito: 97% (proibida desde 1996)
Mali: 92% (punida como lesão corporal)
Somália: aproximadamente 90%
Sudão: 90%
Eritréia: 89%
Etiópia:
Dois somalis serão indiciados pela excisão da filha (francês) (CONTEM VIDEO)


http://www.respect-ev.org/index.php?option=com_content&task=blogcategory&id=24&Itemid=52 (PETIÇÃO)

9 comentários:

amigona avó e a neta princesa disse...

Ando mesmo com falta de tempo...já tinha pensado colocar esta mensagem...ainda bem que tu estás sempre atenta...beijo grande...

São disse...

Parabéns pelo post!

Abraço.

SILÊNCIO CULPADO disse...

Olha querida, assinei no Direito de Opinião de António Almeida.

Louise disse...

Boa ideia. Já assinei.

Ru2x disse...

Simplesmente chocante, e a maneira como é feita ainda mais chocante.Os governos estão em cima do acontecimento em África (Oficialmente), mas a realidade é outra.Gostei do teu blog e é a primeira vez que venho cá.Certamente virei muito mais vezes.Obrigado pela tua visita ao "Sidadania" e pelas tuas palavras.Olha Laurentinos os nativos de LM e agora que é Maputo como se chamam??? :) Beijão

Teresa David disse...

Já assinei mas não consegui ver o video pois só a ideia desta barbaridade me arrepia até ao âmago. Este tipo de causas são as que porque lutarei sempre, sejam sobre as mulheres ou homens, sempre me pareceu que deveremos unirmo-nos para que a nossa voz tenha potência suficiente para se fazer ouvir.
Bjs
TD

Mary disse...

Não só assino como exorto toda a gente a assinar.

António de Almeida disse...

-Divulguei nos 2 blogues onde escrevo, e assinei é claro! É bom não deixarmos morrer este assunto.

Rodolfo N disse...

Excelente llamado a la reflexión y a la finalización de practicas y mutilaciones aberrantes!!
Gracias Laurentina!